06/08/2015

Fanfic: Black Cat - 3º capítulo (Who are you?)

Hi cherries!
Bom dia! Tudo bem com vocês? Como esta sendo a Quinta-feira de vocês? A minha até que esta sendo boa, estou ficando menos estressada depois de ontem. E no último capítulo da fanfic, eu recebi uma sugestão de usar gifs para ilustrar os capítulos, e então eu decidi começar a fazer assim! E eu agradeço a garota da sugestão o/. E hoje eu trouxe o 3º capítulo da fanfic. E aí, vamos ver?


Aquela voz era familiar, eu tinha certeza de que eu já tinha ouvido ela, algum dia. Mas não me lembrava de quem era. Era 13:30, eu estava praticamente entediada, a única coisa que eu fazia era observar Topázio. Ele parecia ser um gato normal, talvez mágico ou fantasma, mas era tecnicamente normal! Quando ele me fitou enquanto comia, era como se eu visse a alma dele, ouvisse seus pensamentos, era como se ele gritasse na minha cabeça sem parar, e sempre a palavra ¨Ajuda!¨. Eu estava começando a ficar insana, louca, demente. Eu não lavava mais meu rosto, e não penteava mais meu cabelo. Eu era perturbada, ou assombrada por um gato preto a qual só eu via! As horas se passaram, e eu fiquei perdida em pensamentos, quando eu vi já era 4 horas da tarde, em ponto. Naquele mesmo momento, Topázio arranhou e mordeu meu pé, como se tivesse dizendo: ¨Esta na hora, Sarah, vá!¨.
- Topázio... Para. - sussurrei.
Ele me ignorou, porém parou de me arranhar e morder. Eu subi as escadas e fui pegar um casaco de brim azul escuro, atrás estava escrito: ¨Monster¨, ou algo assim. Topázio me seguiu e ficou me observando vestir o casaco. Eu perguntei:
- Quer vir comigo? Eu acho que eles não aceitam gatos no shopping.
Ele não fez nenhum movimento. Eu engoli o cuspi.
- Esta bem, você vai ficar em casa, mas não faça nada estranho.
Ele veio na direção das minhas pernas, e esfregou a cabeça no meu pé esquerdo.
- Esta bem, você vem. - falei acariciando a sua cabeça.
Eu amarrei uma coleira nele, e saí de casa. O shopping ficavam a umas 3 quadras da minha casa, e então eu levava uns 15 minutos. Passamos por uns caras, vestidos de preto e com uns moicanos verde, azul e vermelho. Eles olharam e direção ao Topázio, e sussurraram alguma coisa em Francês. Eu peguei Topázio no colo e o escondi dentro do meu casaco. Eles pareciam não me ver, tinham olhos apenas para o Topázio. Nossa, você realmente chama a atenção! Topázio!

Eu dobrei uma esquina, e aqueles caras pararam de nos seguir. Eu entrei no shopping rápido, e finalmente fiquei no meio da multidão. Eu fui até um sorveteria, não tinha ninguém, dei quase uma volta no shopping, quando uma garota com um bicolor loiro e preto estava sentada em frente a uma loja de bolinhos. Ela fitou os meus olhos, e acenou. Eu logo pensei que fosse ela.
- Oi, você me ligou hoje mais cedo? - perguntei, puxando a cadeira.
- Sim. Obrigado por ter vindo.
- De nada, mas como você sabe que sou eu.
- O gato, me disseram que a ¨Sarah¨ - ela vez aspas no ar - seria uma moça com um gato preto, de olhos Amarelo.
- Amarelo-Topázio. - corrigi.
- Tanto faz, e me disseram que eu deveria entregar isto a você.
Ela me entregou uma caixa, rustica, com uma flor-de-lis entalhada no meio. Ela prosseguiu:
- Me disseram que eu não deveria abrir, e sim dar para você. Ou eu morreria. E também falaram algo a ver com destino, mas eu não me importei.
- Quem era?
- Um cara, usava uma jaqueta de couro, loiro, olhos verdes, lindo.
- Eu já entendi. - pigarrei - E como você pegou essa caixa sem saber o que tem dentro?
- Eu confiei, ele era bonitão.
 - E se fosse um bandido?
- Daí eu iria torcer para que ele me sequestrasse.
Eu ergui as sobrancelhas.
- Sequestro? Sério?
- É, mas enfim, eu não posso falar muito, eu preciso chegar em casa as 5 horas, então você quer ir na minha festa de aniversário nesse sábado? Completo 18, e começa as 2 horas. Podemos conversar melhor.
- É claro, eu preciso ir também.
- É, tchau. Até Sábado.
- Tchau.
Eu sai dali com aquela caixa de madeira estranha. Um cara bonitão? Nem todas as pessoas bonitas são confiáveis. - pensei. Eu mordi o lábio. Topázio deu uma leve mordida na minha panturrilha, e coçou a coleira.
- Quer tirar o coleira? Mas você precisa me obedecer.
Ele apenas me olhou com uma expressão triste, a qual eu não resistia.
- Esta bem.
Eu soltei a coleira e ele saiu correndo em direção a porta do shopping.
- Topázio! - gritei, correndo - Volta!
Ele se atirou na frente de um carro, eu fiquei paralisada.
- Moça me desculpa. - falou o motorista.
Eu caí de joelhos.
- Eu vou levar vocês a um médico de animais, esta bem? Moça?
- Esta.
Eu não prestava atenção nele. Ele delicadamente me pegou pelo cotovelo e me levou em direção ao carro, e me colocou no banco da frente, e colocou Topázio no meu colo.
- Me desculpa moça, eu não queria!
- Esta tudo bem.
Levamos uns 5 minutos para chegar numa clinica, e ele ficou meia-hora lá dentro, sendo operado. Ou algo assim. Continua...

5 comentários:

  1. Adorei nate <33
    vou procurar acompanhar.
    beijos

    http://girlthingweb.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fico feliz que tenha gostado ♥.
      Kisses candy ♥

      Excluir
  2. Estou ansiosa para o próximo capitulo Nate,quero muito saber o que tem na caixa e o que aconteceu com o Topázio.
    Amando a fanfic<3
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fico feliz que esteja ansiosa ♥. Então se prepare :v, não vou ser responsável por sentimentos quebrados, e nem por ansiedade :v.
      Kisses candy ♥

      Excluir
  3. Oi Nate, tudo bem?
    Eu não estava acompanhando essa fanfic, mas eu gostei muito desse 3 capítulo, você tem um grande talento escrevendo!
    Te indiquei em uma tag, veja lá no blog 'u'
    xoxo // Candy Bomb

    ResponderExcluir

♥ Não falar palavrões
♥ De sua opinião, porém seja educado
♥ Se não gostar de algo e acha que deve melhorar, fale, mas educadamente
♥ Não ofender as postadoras
♥ Troco comentários
♥ Antes de pedir algo, fale sobre o post ou seu comentário será ignorado
♥ Aceito: ¨Seguindo, segue de volta?¨
♥ Não me peça para D-I-V-U-L-G-A-R algo a qual eu não estou participando, se caso eu gostar de algo no seu blog, eu irei divulgar por vontade minha.